sexta-feira, 1 de agosto de 2008

REVIRANDO- de Tatiane Gonçalves

Revirando

O sol nunca mais iria se pôr. Estava consternada. A última tempestade solar tinha mudado toda a humanidade. Por um motivo mantido em segredo pelos cientistas, a partir daquele dia, seria apenas dia e dia, dia após dia. Hélio nunca mais haveria de recolher seu carro de fogo.
E aquele sol, hein!?... Não agüento mais de calor!... Parece que vou derreter!... Não consigo dormir no claro...
As pessoas estavam enlouquecendo. Suavam tanto que precisavam andar sem roupas.
Acabavam, por força do hábito, trabalhando até mais tarde, mas a noite não caía e o sol escaldava o pensamento.
Os pequenos lagos começaram a secar. As calotas começaram a derreter e o mar, furioso com o sol, começou a se expandir. A área continental do planeta começou a se reduzir rapidamente. As pessoas conseguiam pensar com muita dificuldade.
Os humanos esqueceram-se da lua e, como a água potável era escassa, começaram a beber do mar, que por sua vez dava mais sede.
As células, em decorrência da elevada ingestão de sais, começaram a se comportar de forma diferente e nem sequer ficavam túrgidas ou plasmolisadas.
As pessoas, que a essa altura já não conseguiam pensar, desistiram de lutar por qualquer alteração.
E foram ficando pequenas, e foram ficando pequenas, e foram ficando pequenas, e foram ficando pequenas...
- É assim que me lembro de quando viramos amebas.

Tatiane Gonçalves é escritora baiana. Nasceu em Nova Iguaçu, RJ, em 1977. Mora em Salvador desde 1980.
Começou a escrever poemas ainda na adolescência. Participou de oficinas em áreas de seu interesse como Criação literária e teatro.
Teve seu primeiro poema publicado no jornal literário Sopa: Poesia e afins em julho de 2005. Em junho de 2006 apresentou seu poema Seis com o compositor Marcos di Silva e o flautista Flávio Hamaoka na Mostra do Minuto da Escola de Música da UFBA. Em agosto de 2007 lançou seu livro de contos As borboletas são assim. Teve seu nanorromance, Uma dama, publicado em maio de 2008 no nº 2 da revista Axilassada e em marcadores de livros. Ambos através da Editora CISPOESIA.
Os contos "Meninice" e "Vizinhança" estão publicados no site do escritor e professor Renato Suttana e "Os carimbos de Aurélia" no site literário Garganta da Serpente.

Um comentário:

Renata Belmonte disse...

Tati é uma fofa, merece todo o sucesso do mundo! Parabéns pelo texto!
Bjs,
Renata