quinta-feira, 8 de maio de 2008

O DEGOLADO -quinta parte

No dia seguinte conversou com os colegas o ocorrido, meio envergonhado, mas conseguiu narrar-lhes o fato. Mas um outro feito começava a preocupar os quatro professores da tese do segredo do universo. A professora Lisbela e o professor Lucius haviam recebido cartas anônimas e ameaças por telefone. A alta direção da faculdade queria destituir o professor Rui Mauriti do cargo de chefia e o criador da tese, professor Edgar, recebeu advertência por escrito. Além de escutar a noite ruídos ao redor da casa. Coisa que não deu importância, mas algo dentro da sua cabeça avisava-lhe constantemente do perigo que agora corria. Lembrou-se então do desconhecido do ônibus, com um esforço de memória esboçou o semblante do sujeito. E de repente viu-se sobressaltado, o homem que engatou uma breve conversa com ele no ônibus, era o mesmo que o acompanhava durante o sonho no passeio aos ciclos. E que por sua vez era também o velho todo de branco que estava na portaria. Rapidamente o professor encaminhou-se à entrada da faculdade, deu sorte o porteiro era o mesmo do dia que teve a visão da sala de aula. Perguntou-lhe se tinha visto um homem com tais características e descreveu o velho.
_Não, professor, lembro do dia, não havia ninguém aqui com essas características...
_Tem certeza?
_Claro, esse dia que o senhor falou e a hora, eu fico bem atento, pois é o momento em que minha filha passa de volta do colégio para casa e eu fico com muito cuidado observando todas as pessoas que se aproximam... Sabe como é, os dias de hoje todo mundo é suspeito...

Os professores reuniram-se com a alta direção da faculdade e explicaram a tese. O diretor e o vice ficaram um pouco ressabiados. Estavam tomando medidas de acordo com as queixas que chegavam do próprio departamento de estudos físicos, da assembléia legislativa e principalmente da arquidiocese. Não quiseram por razão de ética dar os nomes dos queixosos, mas para os cientistas pesquisadores não havia dúvida. Sabiam quem estava por trás de tudo. Descrentes e desconfiados, em primeira mão, orgulhosos e confiantes, em seguida, o diretor e o vice avalizaram a continuidade da pesquisa, mantiveram o professor Rui Mauriti em seu respectivo cargo. Suspenderam a advertência a Edgar e garantiram investigação sigilosa para as ameaças sofridas por Lisbela e Lucius.
_Não vejo razão para estardalhaço, pensei que fosse algo fora de propósito ou sem ética profissional... Parabéns ao professor Edgar, sua desconfiança é plausível, sobretudo no campo da Física... De qualquer forma devo entrar em contato com algumas pessoas do governo que pediram o inquirimento de tal pesquisa e explicar-lhes a real natureza do que está sendo feito, é inacreditável mas isso ainda acontece nos dias de hoje, ainda há um censor em cada esquina... Por favor, professores, perdoem a nossa desconfiança inoportuna, continuem os trabalhos... Além do mais a Física vive de dúvidas, hipóteses e levantamento de teses... Para lhes ser sincero não acredito que cheguem a provar algo a respeito disso, principalmente a não existência de Deus, aliás, é isso que está fazendo barulho e ecoando negativamente em alguns segmentos da sociedade, mas paciência... O homem, os estudiosos que desconfiam de todo o conteúdo já pré-concebido não podem se acomodar a dogmas, ou preconceitos ignorantes vindos do lado que for... Não se preocupem com os outros, aliás, não imaginava que pudesse haver docente que não fosse de acordo com a investigação científica qualquer que seja ela... Continuem sob o meu aval e proteção.
(SEXTA PARTE-domingo 11/05)

Um comentário:

Antonio disse...

Oi,Carlos: às vezes, sei que o personagem toma rumos que o escritor não traçou. às vezes tememos o que não conhecemos. Será que o velho é do bem ?
Abraços..
antonio
http://www.emailskeurecebo.blogspot.com