domingo, 2 de novembro de 2008

VERMELHO, AMARELO E BRANCO- apresentando Camila Vilarinho

Vou me estruturando com fio de navalha na carne,
desaguando no riacho lavo meu sangue.
Vermelho e inchado meu corpo grita em pane
e minha cabeça gira entorpecida.
Grito, grito...

Lavada de água doce minha carne se acalma,
minha alma aquieta
e se afogueia de pronto em pranto.

Choro como quem canta;
danço como quem grita;
grito com minha dança em prantos.

Graciosa e grave.
Gravemente ferida.
Docemente encantando
paraliso (paraíso) e balanço.


Camila Vilarinho minha prima estreando no mundo das letras.

3 comentários:

Gerana Damulakis disse...

Poema bem estruturado, aproveitando a aliteração no jogo sutil das palavras. Parabéns!

Flamarion Silva disse...

Gostei muito do seu poema, Camila. Estonteante, imagens de desespero muito bem elaboradas. Queria falar do final também, mas não achei as palavras certas. É esta paz intranquila, algo de onírico, um processo de purificação. Por aí. Beijos.

Lala disse...

Parabéns, Mila Vila. Tocante e sensível como você é. Bj.