terça-feira, 9 de dezembro de 2008

NA RETINA E NO CORAÇÃO- de Carlos Soares de Oliveira

Quem acompanha meu blog sabe que tenho uma série “Pérolas de minha infância”, mas esse texto não posso incluir nessa série, até porque não tem nada de pérola.Gostaria de não ter visto essa cena.

Há muito tempo, quando não havia ainda no Brasil nem uma possibilidade de uma lei anti-racismo, estávamos, eu (branco de cabelos enrolados), Marcos (branco de cabelos lisos longos), Rocha (moreno claro cabelo crespo), Zé Roberto (loiro de cabelos longos) e Zezé (negro de cabelo Bob Marley). Claro que havia mais pessoas no local. Tomávamos cerveja após a pelada, num barzinho que era ponto de encontro da rapaziada e rolavam “brincadeiras” e piadinhas com a cor do Zezé, que sorria embora parecendo incomodado. Aliás, eu também, pois jamais gostei de apelidos, principalmente ligados à cor de pele de alguém. No fundo, no canto havia um negro, já meio de idade, talvez uns 35 anos, estranho para nós no bairro, quieto, tomando cerveja também e ouvindo tudo aquilo.
Certo momento ele se levantou e chegou à mesa:
- Quantos rapazes bonitos! Loiros, cabelos nos ombros.Tem até Roberto Carlos (apontando para mim).
Ficamos surpresos, boquiabertos até que ele tirou do bolso um canivete. Pensando que fosse agredir alguém, me afastei.
Ele não agrediu a ninguém, agrediu a si mesmo para nos mostrar apenas uma cor: a cor vermelha do seu sangue. Passou levemente o canivete no pulso, o sangue desceu na hora.
E então disse com uma careta que não sei se era de dor ou de indignação dizendo:
-Olhem aqui, loirinhos. Meu sangue é vermelho igual ao de vocês.
E saiu andando com o pulso pingando deixando um rastro de sangue.
Silêncio geral. Todos se olhando. Zezé abaixou a cabeça. Não sei o que meus amigos fizeram, se ficaram ali ou não, mas fui embora para casa, terrivelmente chocado.Aquilo ficou para sempre na minha retina e no meu coração.

CARLOS SOARES DE OLIVEIRA é escritor mineiro de Governador Valadares.

3 comentários:

Um anjo sem rosto... mas não sem alma disse...

Obrigado por publicar.Foi um enorme aprendizado.Eu não estava efetivamente na brincadeira,mas estava passivo e isso é igualmente preconceituoso.Como disse Gabdhi"Se você vê a injustiça sendo praticada e não faz nada,então a injustiça agora é sua".

Um anjo sem rosto... mas não sem alma disse...

Correto: GANDHI

Anita Fonseca disse...

Seus textos Carlos são maravilhosos, cheios de amor, de afeto, de bondade. Adoro ler vc. Bjs.