sábado, 9 de fevereiro de 2008

A DAMA


Foi lá na redação que vi Danyella. Estava sentado ouvindo o editor, pensando em tomar café. Ela veio e sentou-se ao meu lado. Não havia pensado em meu comportamento idiossincrático-meditativo ao longo da vida. Não sabia o que eu era. E agora sei quem sou. Tudo de praxe durante o falatório, a não ser quando o poeta tomou a palavra.
_Tudo, companheiros, é uma questão natural. Se analisarmos o tempo em sua passagem iminentemente e, muito natural, efêmera... e com a nossa perspicácia ao observar e interpretar os fatos para depois cria-lo e recria-lo teremos a notícia...
Eu tinha uma bolha no pé. Calçava um único tênis que possuía velho e surrado. Quando o poeta Carlos começou a falar, não sei porque, mas a coceira parou, deu um tempo. Pensei na passagem do tempo para escrever minha matéria. Então, olhei Danyella ao meu lado. Ela estava com uma calça colada ao corpo. Desenhava toda sua perna. Algo fantástico contatou minha energia com a dela que, sem querer e com o pensamento voltado a um texto que teria que escrever, esperei Danyella levantar.
_...não que não tentemos, não que não pensemos, não que não saibamos e alguns não sabem, mas as mulheres devem ser bem tratadas...
A bolha no pé voltou a coçar. Estava usando também um desodorante forte, ativo e aquilo me deixava renitioso. O poeta Carlos é um bom amigo, um sujeito muito parecido comigo. Gostava de beber cerveja e falar na seleção brasileira. Enxergava nas entrelinhas e até um pouco histriônico com relação às mulheres. O poeta era tão sensível que me fazia observa-lo ali com uma coceira nos pés. Sentia a volúpia da coceira. Notei então a mira acre e o bigode revoltoso de Valcélio a espionar indignado a minha coceira.
_... e foi assim que Nietszche chorou, amigos... eu enquanto jornalista e com tantos fatos falsos noticiados pelo mundo afora, criados a partir da imaginação de um homem, digo-lhes que o que estão querendo fazer com nossa classe é um absurdo.
A reunião decidiria o dissídio coletivo. Havia no paroxismo da vida uma existência paradoxal que era o jornalista desinformado. A turma toda estava além da indignação. Não abri a boca para dizer que era verdade tudo aquilo, o fato do desconhecimento, mas a minha presença incomodava boa parte da redação. Danyella então se levantou e ali eu senti o que há muito não sentia. Um tremor no coração e um desejo quase incontrolável. Durante o seu andar até a cafeteira envolvi-me numa espécie de transe em conexão com o universo feminino. Danyella me causaria, a partir daquele dia, muito embaraço de excitação espontânea.
_...Fernando Pessoa genialmente falou que ficava no cimo de um outeiro olhando o seu rebanho, ótimo, amigos, se tivéssemos agora um Fernando, ou melhor, Alberto Caeiro, a nos olhar e nos guardar lá de cima no papel que está no seu pensamento...
Não sei quanto tempo o poeta falou, não prestei mais atenção depois que pus meus olhos em Danyella. Passei o resto daquele dia inquieto e excitado. Segui a mulher até o lado de fora da redação e minha excitação amoleceu quando a vi entrar num carro e seguir com um outro homem. A bolha de meu pé voltou a incomodar, o sangue que corria dentro de mim com mais intensidade, tornou-se um córrego que parecia jazer de tristeza pela ausência de Danyella.
_Jornalista, para que lado fica o amor?
Um velho que ficava todos os dias na porta do jornal limpando sapatos me perguntou isso. Aliás, ele já havia me perguntado em outras situações e eu indignado e sempre injuriado com as coisas da vida.
_HUMPF!!!!
Naquele dia eu respondi.
_O amor acaba de entrar num carro.
E foi ele mesmo, o engraxate, quem me contou sobre Danyella.
_É, eu vi. Aquela dama causa frisson em todo mundo quando chega. Ela é casada com um palermão que aparece de vez em quando na televisão convocando o povo para ir à vigília dos crentes... Tem também um filho com o tal palerma chamado Esdras. È muito tímida, sensível e carente...
_Como é que você sabe disso tudo?
_Jornalista, tenho sessenta anos e já tive meia dúzia de mulheres, conheço todas... a dona que virou sua cabeça tropeçou no próprio salto e segurou-se em mim e eu a segurei para não cair, acredita, jornalista, que só com esse toque ela ficou toda arrepiada?
A imagem dos seios arrepiados de Danyella veio imediatamente à minha cabeça. E saí para beber levando comigo na obscuridade dos pensamentos aquela dama que só mil talheres iam satisfaze-la.
Ao chegar à redação no dia seguinte, rodei em torno de mim mesmo para busca-la. Não a vi, quase entro no desespero, quando em seguida ouvi um melífluo “licença”. Era ela. Ouvi ao mesmo tempo o estrondo retumbante do meu coração acelerado. Danyella olhou dentro dos meus olhos e riu um riso contido num sopro de respiração. Eu ri também e emendei.
_Toda licença do mundo para a dama seguir seu caminho suavemente.
Ela olhou novamente e riu um riso menos contido. Lembrei do engraxate e imaginei os pelos eriçados do sexo de Danyella, junto a uma gota de suor. Não sei porque mas veio à minha mente Dom Pedro II. Tempos atrás havia lido um livro sobre o imperador deposto. Dom Pedro teve muitas mulheres e uma dedicatória que fez para uma delas ficou em meu pensamento “Não consigo mais segurar a pena, ardo de desejo de cobri-la de carícias”. Um dia direi isso a Danyella, prometi a mim mesmo. Depois de alguns meses estávamos bem próximos. Sabia que de uma forma ou de outra Danyella me admirava e pensava em mim. Sabia que me olhava enquanto os meus olhos não estavam ao alcance dos olhos dela. Esgueirava-se na cadeira para ver como eu tratava as outras colegas, denotando um arroubo ciumento que a sua discrição e complacência não deixavam transparecer o que sentia por dentro, talvez passeasse por seu coração a dúvida de ser especial. Não deveria duvidar se me conhecesse perspicazmente. Enfim estávamos na atmosfera romântica marcada por um ponto de intersecção que nos unia em algum lugar do universo. Trabalhávamos um em frente ao outro e cada vez mais eu a desejava. Acho que ela também. Inventei até projeto fantasma para ficarmos juntos, discutirmos e enquanto discutíamos eu a imaginava nua, sem o seu vestido azul. Um dia, entretanto tudo começara a se concretizar, ao cair no chão a caneta com que trabalhava, abaixei para pegar. Foi assim que vi o talho de Danyella todo descoberto. Ela estava só de vestido sem nada por baixo. Fiquei nervoso com a visão que tivera, e ela percebeu. Riu de esconso e levantou-se para ir à cafeteira. Olhou para mim de soslaio e quebrou para o banheiro. Eu fui atrás. Ela entrou esperou entrar e trancou a porta.
_Estou pronta.
Beijei a mulher com furor, segurei o sexo com vontade, coloquei-a em cima da pia que quebrou. Levei então para o vaso, sentei e encaixei Danyella sem dar espaço a vácuo. Ela escorregou em cima de mim teso, duro e viril, soltou um urro de amor contido. Como dois animais em transe de orgasmo nos amamos no banheiro da redação por quarenta minutos. Ao sairmos deparamo-nos com o poeta Carlos escorado na parede com dor de barriga, eis que me disse:
_Não há nada senão o fetiche
Não há nada senão o cio dolorido e desejoso de um poeta
Não há nada como saciar a dor
Não há nada como beber o amor...
Na última carta que mandei a Danyella, coloquei a frase que prometi a mim mesmo “Não consigo mais segurar a pena, ardo de desejo de cobri-la de carícias”

Carlos Vilarinho
18/11/07



3 comentários:

tita coelho disse...

Oi Carlos!
Adorei o conto, escreve de forma brilhante, que bom que resolveu ter um blog só teu!
virei mais vezes!
beijos

Bella disse...

CHOCANTE!!
é como ESCORREGAR DESCALÇA num chão MOLHADO, e de quebra tentar me segurar num FIO ELÉTRICO DESCOBERTO............AIIIIIIII

tita coelho disse...

Carlos,
postei hoje nos meus dosi blogs o www.esperasesperas.blogspot.com e no www.terrorcontado.blogspot.com, queria tua visita e tuas impressões!
beijos